Publicações

Este espaço tem como objetivo divulgar os artigos, TCCs, dissertações e teses de integrantes do Laboratório e Grupo de Estudo em Arqueologia e Cultura Material - LeArq/Univille e ArqueoCult
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2015

A paisagem, arqueologia e os lugadores transformados: A Alameda Brüstlein em Joinville (Santa Catarina).Anna Kelly Krassota, Dione da Rocha Bandeira, Fernanda Mara Borba, Graciele Tules de Almeida. Publicado em: Revista Tecnologia e Ambiente. Dossiê IX Reunião da Sociedade de Arqueologia Brasileira / Regional Sul, v. 21, n. 1, 2015 http://periodicos.unesc.net/index.php/tecnoambiente/article/view/1925

A História do Morro do Hospício (São Francisco do Sul): Primeiros passos do estudo na perspectiva da cultura materialBANDEIRA, Dione da Rocha; BORBA, Fernanda Mara; ALMEIDA, Graciela Tules de Publicado em: Anais CONINTER 3 - Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades - Salvador - BA

O caminho do Monte Crista: um panorama de sua historicidade. Romão Kath; Dione da Rocha Bandeira.
http://periodicos.univille.br/index.php/RCCult/article/download/142/110

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2014

A Clínica Nossa Senhora da Saúde da casa n.º 909 da Rua XV de Novembro: Lugar praticado de memórias em Joinville- SC. Samira Sinara Souza; Dione da Rocha Bandeira
http://media.wix.com/ugd/dd2ce2_a78207d1a0f34163b94f0d3348a94215.pdf

The archaeological heritag of the black occupancy in São Francisco do Sul – Santa Catarina, Brazil.F.M. BORBA & D. DA R. BANDEIRA. Publicado em: Miscellania  Theory, Rock Art and Heritage BAR International Series 2659. Anais do XVI World Congress of UISPP e XVI Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira. 2014


Livro Arqueofauna e Paisagem. ZOCCHE; J.J.; CAMPOS, J.B.; ALMEIDA, N.J.O.; RICKEN, C. Erechim: Habilis, 2014.

(1) Capítulo: Estudo da ictiofauna do sambaqui Porto do Rio Vermelho II (SC-PRV-02), Ilha de Santa Catarina-Brasil. Vania Leandro de Sousa, Silvério Manuel Figueiredo, Dione da Rocha Bandeira.

(2) Capítulo: Alimentação, adaptação e origem no sambaqui Enseada I, São Francisco do Sul, SC. Patrimônio arqueológico pré-colonial de Santa Catarina. Dione da Rocha Bandeira; Thiago Fossile.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2013

CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA COMO FATOR DE DEGRAÇÃO DE ACERVOS EM SUPORTE DE PAPEL: O CASO DO ARQUIVO HISTÓRICO DE JOINVILLE. Elisangela & Dione.Publicado em: Revista do Arquivo Histórico de Joinville. 2013



O Estudo da cerâmica: Um quadro referente aos três grupos indígenas do sul do Brasil. Samir Alexandre Rocha; Mirian Baptista Carle. Publicado em: Antrope, Nº 0 – Dezembro 2013.


[Baixar arquivo]

Livro Arqueologia Guarani no Litoral Sul do Brasil. MILHEIRA, R. G.; WAGNER, G. P.
Capítulo Arqueologia Guarani em Santa Catarina: Litoral Norte. Dione da Rocha Bandeira



Escravos na Vila de São Francisco do Sul (Santa Catarina, Brasil) no período oitocentista: funções desempenhadas, constituição de famílias e habitações construídas. Fernanda Mara Borba, Dione da Rocha Bandeira. Publicado em: Revista Latino-Americana de História, v. 2, p. 117-140, 2013.



 Resumo PDF


Livro Patrimônio Cultural, Direito e Cidadania. Erechim: Habilis, 2013. Capítulo: O patrimônio cultural brasileiro tangível e a modalidade de responsabilidade civil a ser aplicada aos seus agressores - uma reflexão à luz da Constituição da República Federativa do Brasil/1988 e do Código Civil Brasileiro/2002. FUXREITER, Katja Elisabeth; BANDEIRA, Dione da Rocha.



Trabalho de Conclusão de Curso de Thiago Fossile
Título: PEIXES NA ALIMENTAÇÃO DE POVOS PRÉ-COLONIAIS – ESTUDO ICTIOARQUEOLÓGICO DO SAMBAQUI CUBATÃO I 

Resumo: A  Baia  da  Babitonga,  no  norte  de  Santa  Catarina,  é  considerada  uma  região fundamental  para  o  entendimento  dos  sambaquis,  tendo em  vista  a  grande  presença destes  sítios  e  a  rica  cultura material  associada  aos mesmos.  Sambaquis  são  sítios arqueológicos pré-coloniais existentes no  litoral brasileiro,  caracterizado pelo acúmulo de  conchas  formando montes. Uma  questão  fundamental  na  pesquisa  de  sambaquis diz  respeito ao uso dos animais na alimentação, e para  isso  recorre-se a estudos de zooarqueologia. O presente trabalho apresenta os resultados que visam contribuir para o  melhor  entendimento  do  comportamento  sambaquiano  quanto  à  dieta  alimentar  a partir do estudo dos restos de peixes do sambaqui Cubatão I. O sítio situa-se próximo à foz do Rio Cubatão, no Canal do Palmital, em Joinville/SC, Brasil. O material analisado é  proveniente  das  duas  áreas  identificadas  durante  a  pesquisa  de  “Escavação  do
Sambaqui  Cubatão  I,  Joinville,  SC  para  fins  de  Análise  Paleodemográfica, Paleopatológica  e  Bioarqueológicas”,  desenvolvido  pelo  MASJ  de  2007  a  2009  em parceria com o MAE-USP, Escola Nacional de Saúde Pública da FIOCRUZ e CNRS da França. Durante a análise foram identificados os elementos esqueletais, juntamente da sua  lateralidade,  taxonomia,  avaliação  do  estado  de  conservação  e  processo tafonômico.  Para  identificação  taxonômica,  consultou-se  coleção  osteológica  de referência  do  MASJ  e  bibliografia  específica,  eventualmente,  também,  especialistas. Para  o  gerenciamento  dos  dados  zooarqueológicos  está  usando-se  o  software Archaeobones 1.2. Foram  identificadas 2833 peças ósseas de peixes, dispostas entre as  quadras  N18E1,  N5W1  e  N8W13  -  pré-maxilares,  dentários,  otólitos,  etc.  em  24 diferentes  taxa. Entre as espécies mais exploradas estão os bagres da família Ariidae, baiacu e corvina. As espécies  identificadas, em sua maioria, habitam águas costeiras, estuarinas,  doces  ou  próximas  a  desembocaduras  de  rios.  Corroborando  com  os aspectos ambientais da área de entorno do sítio,  indicando que a  inserção ambiental reflete o uso da fauna por povos pré-coloniais.

Página 16 (Folha A3) [Baixar arquivo]
Página 35 (Folha A3) [Baixar arquivo]

Mudanças conceituais no campo dos museus e as possibilidades de identificação do público com a pré-história regional a partir do Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville, Santa Catarina. Luiz Fernando Estevão, Dione da Rocha Bandeira. Publicado em: Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio – PPG-PMUS Unirio | MAST - vol. 6 no 1 – 2013.

Resumo: O objetivo deste artigo consiste na análise, reflexão e discussão de como se dá a identificação dos variados sujeitos/públicos com as sociedades pré-coloniais que viveram na  região de Joinville a partir da exposição de  longa duração  intitulada Pré-história  Regional  presente  até  recentemente  no  espaço  do Museu  Arqueológico  de Sambaqui de Joinville/SC. O estudo se dá a partir da  revisão da evolução conceitual sobre  a  instituição museu  pela  análise  de  documentação  institucional  e  entrevistas com visitantes.

[Baixar Arquivo]

Livro Abordagens Estratégicas em Sambaquis. Erechim: Habilis Ed. previsão para 2013. GASPAR, M. E SOUZA, S. M.. DE (ORGS). Capítulo: Macrovestígios arqueológicos vegetais encharcados: subsídios para resgate e conservação. SANTOS, Adriana Maria Pereira; BANDEIRA, Dione da Rocha; MELO JR, João Carlos Ferreira; BIANCHINI, Gina Faraco.


Dissertação de KATJA ELIZABETH FUXREITER
Título: A (IN)EFICÁCIA DAS NORMAS INSCULPIDAS NA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL/1988 E NO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO/2002 QUANTO À SALVAGUARDA DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL CULTURAL, À RESPONSABILIZAÇÃO DE SEU AGENTE AGRESSOR E À EFETIVA REPARAÇÃO DOS BENS OFENDIDOS


Resumo: A  pesquisa  intitulada  a  (in)eficácia  das  normas  insculpidas  na  Constituição  da República  Federativa  do  Brasil/1988  e  no  Código  Civil  Brasileiro/2002  quanto  à salvaguarda  do  patrimônio  ambiental  cultural,  à  responsabilização  de  seu  agente agressor  e  à  efetiva  reparação  dos  bens  ofendidos,  enfoca  o  patrimônio  cultural brasileiro  tangível,  especialmente  no  que  se  refere  à  sua  efetiva  salvaguarda,  e, posteriormente,  quando  da  ocorrência  de  eventos  danosos  aos  bens  que  o compõem,  se  as  normas  pátrias  da  responsabilidade  civil  são  efetivamente aplicadas ao (s) seu (s) agressor (es), bem como se o dano causado é efetivamente reparado.  Para  tanto,  investiga-se  se  os  dispositivos  insertos  na  Constituição  da República Federativa do Brasil e 1988 e no Código Civil Brasileiro de 2002,  trazem em si a eficácia,  jurídica e social, pretendida, quer para, preventivamente, proteger os  referidos  bens  de  quaisquer  danos,  quer  para,  posteriormente,  em  ocorrendo danos, se os agentes agressores são real e civilmente responsabilizados, bem como se os objetos destas agressões são efetivamente reparados.

[Baixar arquivo]

Dissertação de Luiz Fernando Estevão
Título: AS POSSIBILIDADES DE IDENTIFICAÇÃO DO PÚBLICO COM A PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL A PARTIR DA EXPOSIÇÃO DE LONGA DURAÇÃO DO MUSEU ARQUEOLÓGICO DE SAMBAQUI DE JOINVILLE/SANTA CATARINA

Resumo: O objetivo desta dissertação reside na análise, reflexão e discussão de como se  dá  a  identificação  de  variados  sujeitos  com  as  sociedades  pré-coloniais  que viveram na região de Joinville, a partir da exposição de longa duração intitulada Pré-história Regional presente até  recentemente no espaço do Museu Arqueológico de Sambaqui  de  Joinville/SC.  Está  vinculada  ao  Grupo  de  Pesquisa  Estudos Interdisciplinar em Patrimônio Cultural da Univille. O  desenvolvimento  da  nossa  pesquisa  se  deu  a  partir  de  duas  fontes principais,  a  documentação  interna  do  Museu  Arqueológico  de  Sambaqui  de Joinville/MASJ  e  entrevistas  aplicadas  aos  visitantes  do Museu  com  o  uso  de  um formulário.  Por  meio  da  leitura  dos  dados  extraídos,  percebemos  que  o  caráter comunicativo  das  exposições  e  a  sua  natureza  de  experiência  para  os  visitantes estão  presentes  na  exposição,  estimulando  a  reflexão  e  a  identificação  com  as sociedades pré-coloniais que viveram na região de Joinville, a partir da exposição de longa duração Pré-história Regional. Acreditamos que os  resultados obtidos após as  leituras dos dados, poderão contribuir na reformulação e apresentação de novas exposições nesse ou em outros museus. 

[Baixar Arquivo]

Dissertação de Fernanda Mara Borba
Título: ARQUEOLOGIA DA ESCRAVIDÃO NUMA VILA LITORÂNEA: VESTÍGIOS NEGROS EM FAZENDAS OITOCENTISTAS DE SÃO FRANCISCO DO SUL (SANTA CATARINA)

Resumo: Este trabalho apresenta o primeiro estudo arqueológico sobre a escravidão nas fazendas oitocentistas de São Francisco do Sul (Santa Catarina), com o intuito de compreender a atuação da mão de obra escrava nesses espaços e a produção cultural presente nesses estabelecimentos. Tais questões foram abordadas com base na análise de três antigas propriedades agrícolas localizadas na parte continental do município (Distrito do Saí) e de uma coleção arqueológica, documentos oficiais, jornais, mapas, fotografias e depoimentos orais. Considerando que havia uma lacuna relacionada aos locais de trabalho, à moradia e aos objetos cotidianos dos escravos da vila, a perspectiva arqueológica tentou ampliar os estudos ao reunir diferentes fontes de análise e elaborar algumas interpretações a respeito dos espaços e vestígios associados à escravidão. Habitações simples e uma cultura material marcada por traços peculiares fizeram parte de São Francisco do Sul, mostrando que a população negra e escrava, ademais de ter acompanhado o processo de ocupação do território, construiu e reelaborou de forma sutil seus elementos culturais naquela localidade. Esta dissertação está vinculada a uma pesquisa interdisciplinar financiada pela Capes e integra o Grupo de Pesquisa Estudos Interdisciplinares de Patrimônio Cultural da Univille.


ESTUDOS DE DIAGNÓSTICOS ARQUEOLÓGICOS REALIZADOS NA BAÍA DA BABITONGA – CONTRIBUIÇÃO PARA O MAPEAMENTO DOS SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS NO PROJETO ATLAS. Thiago Fossile; Dione da Rocha Bandeira - Publicado em: Revista Tecnologia e Ambiente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA) da UNESC em volume especial contendo as atas das IX Jornadas de Arqueologia Iberoamericana e I Jornadas de Arqueologia Transatlântica (http://periodicos.unesc.net/index.php/tecnoambiente/article/viewFile/1324/1271).

Resumo: O presente artigo refere-se ao projeto “Atlas Histórico da Região da Baía da Babitonga”
cujo objetivo é elaborar uma publicação com base em levantamentos documental e bibliográfico das seis cidades que circundam a Baía: Joinville, São Francisco do Sul, Araquari, Balneário Barra do Sul, Garuva e Itapoá. Busca a compreensão e o registro do processo de ocupação histórica do território dos municípios mencionados. A pesquisa está concentrada na documentação relativa às cinco fases que compreendem o ATLAS: 1) ocupação pré-colonial; 2) distribuição de sesmarias; 3) colonização açoriana; 4) imigração oficial e 5) migrações atuais. Este artigo, além de ter como objetivo mostrar o
desenvolvido das atividades do subprojeto “Estudos de diagnósticos arqueológicos realizados na Baía da Babitonga – contribuição para o mapeamento dos sítios arqueológicos no projeto ATLAS”, também se preocupa com a apresentação dos dados referente a toda abordagem arqueológica no projeto.

[Baixar Arquivo]

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2012


ARQUEOLOGIA HISTÓRICA NO NORDESTE DE SANTA CATARINA. Dione da Rocha Bandeira; Maria Cristina Alves - Publicado em: Revista Tempos Acadêmicos, Dossiê Arqueologia Histórica, nº 10, 2012, Criciúma, Santa Catarina. ISSN 2178-0811.

Resumo: O artigo apresenta uma reflexão sobre a ocupação histórica da região nordeste de Santa Catarina a partir dos sítios e unidades arqueológicas identificados nos levantamentos arqueológicos, principalmente aqueles relacionados a licenciamentos ambientais. Utilizando somente os dados de sítios cujas coordenadas em UTM são conhecidas fez-se um mapeamento e buscou-se relacioná-los a grupos de diferentes origens étnicas que migraram para a região e suas práticas e relações sociais inferidas a partir dos remanescentes materiais.

[Baixar arquivo]


Outros olhares sobre a escravidão em São Francisco do Sul (Santa Catarina) a partir da cultura material. Fernanda Mara Borba, Dione da Rocha Bandeira. In: VI Reunión de Teoría Arqueológica de América del Sur e III Jornada de Arqueologia do Cerrado, 2012, Goiânia. Publicado em: Anais da VI Reunión de Teoría Arqueológica de América del Sur e III Jornada de Arqueologia do Cerrado. Goiânia: PUC Goiás e IGPA, 2012. v. VI. p. 5-6.



O PATRIMÔNIO CULTURAL DA ILHA DA RITA (SANTA CATARINA): ESTUDOS PRÉVIOS PARA SUA REVITALIZAÇÃO E PRESERVAÇÃO. Dione da Rocha Bandeira; Fernanda Mara Borba; Roberta Cristina Silva - Publicado em: CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X.

Resumo: Este trabalho pretende apresentar os resultados preliminares de dois projetos financiados pela CAPES, CNPq e FAP/UNIVILLE desenvolvidos pela Universidade da Região de Joinville sobre o patrimônio cultural da Ilha da Rita (São Francisco do Sul, Santa Catarina). As pesquisas têm por objetivo geral reunir informações e gerar conhecimento sobre o patrimônio cultural, arqueológico e ambiental da Ilha da Rita produzindo uma proposta de revitalização da mesma. Os projetos têm objetivos e metodologias interdisciplinares, contemplando análises ambiental, arqueológica, histórico-social e arquitetônica. A prática interdisciplinar, para além da reciprocidade teórica, metodológica e/ou tecnológica, permite a criação de novos conceitos, teorias, modelos, metodologias e tecnologias de pesquisa.

[Baixar arquivo]
 
Arqueologia Pré-Colonial do Litoral Norte de Santa Catarina Balanço Preliminar da Produção Científica. Dione da Rocha Bandeira.

Resumo: Este estudo pretende fazer uma revisão das publicações que  tratam das ocupações  pré-coloniais  do  litoral  Norte  de  Santa  Catarina,  empreendidas  a  partir  do Período  Formativo  da  Pesquisa  Moderna:  1950-1965  da  história  da  Arqueologia Brasileira, conforme  Prous (1992).
    Esta  proposta  partiu  da  necessidade  que  sentimos,  ao  assumirmos  o cargo  de  arqueóloga  no Museu Arqueológico  de  Sambaqui  de  Joinville,  de  definirmos projetos  arqueológicos  para  aquela  área. Nada  poderia  ser  projetado  se  não  tivéssemos clareza do que foi produzido até hoje para a região. Este trabalho é uma síntese do que pudemos levantar, neste período em que  estamos  nesta  instituição.  E  pretende,  a  partir  da  releitura  das  informações produzidas, reunir dados sobre os sítios arqueológicos da região e discutir problemáticas e metodologias que sejam importantes e adequadas para o encaminhamento de pesquisas arqueológicas futuras. Aproveitamos  neste  trabalho, parte de um  capítulo, o que  apresentava uma revisão das pesquisas realizadas no litoral de Santa Catarina, de nossa dissertação de mestrado  que  tratou  dos  aspectos  alimentares  das  populações  que  ocuparam  o  sítio arqueológico Enseada I, localizado em São Francisco do Sul. Gostaria  de  agradecer  aos  meus  colegas  do MASJ,  em  especial  Ana Maria Mendes com quem discuti vários questões e organizou as tabelas e os mapas deste trabalho e, a Fundação Cultural de Joinville, mantenedora do MASJ.

[Baixar Arquivo]

(Livro) Construção de Políticas Patrimoniais: Ações preservacionistas de Londrina, Região Norte do Paraná e Sul do país. Patrimônio Arqueológico e a cidade: Problemas e Estratégias na Gestão.  Dione da Rocha Bandeira; Maria Cristina Alves; Eloy Labatut de Oliveira

Resumo: A conservação dos sítios arqueológicos tem sido um grande desafio que o Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville assumiu mais efetivamente a partir de 1990, quando a Lei Orgânica do Município delegou a esta Instituição tal responsabilidade. Projetos e atividades institucionais como inspeções periódicas, adoções de sítios e acompanhamento de licenciamentos ambientais, entre outros, têm sido alternativas para lidar com a questão. No momento em que os municípios brasileiros acabaram a reformulação ou elaboração de seus Planos Diretores é fundamental a inclusão do patrimônio arqueológico nas políticas de gestão das cidades. Neste sentido, esta reflexão visa contribuir para o compromisso com a salvaguarda do patrimônio arqueológico brasileiro nas cidades.

[Baixar arquivo]

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2011

Sambaquis (shell mounds) of the Brazilian coast. Gustavo Wagner; Klaus Hilbert, Dione Bandeira, Maria Cristina Tenório, Maria Mercedes Okumura - Publicado em: Quaternary International 239 (2011) 51-60.

Resumo: The Brazilian shell mounds called sambaquis have been well known since the 16th century when clergy, travelers, and members of the colonial administration wrote the first narratives of Portuguese America. However, it was only during the second quarter of the 19th century that, under the orders of the Imperial Government, the first scientific expeditions carried out systematic research on these archaeological sites. The sambaquis of Brazil are found in the costal regions of the south and southeast, from the coast of what is today Espírito Santo State to the Rio Grande do Sul State. The oldest dates come from the states Rio de Janeiro and São Paulo, indicating that there was an occupation as far back as the 6th century BC. The sites are to be found in coves, sandy plains dominated by beach-ridges, rocky outcrops, mangrove groves, lagoons, estuaries or large bays. This landscape variability is equally expressed in the material culture and resource exploitation, which are characterized by a variety of adaptive strategies and diversity between the various cultural contexts.

[Baixar arquivo]

A PLURALIDADE DO PATRIMÔNIO CULTURAL DA ILHA DA RITA E DISTRITO DO SAÍ – SÃO FRANCISCO DO SUL/SC. Fernanda Mara Borba; Cibele Dalina Piva Ferrari; Roberta Nabuco de Oliveira; Sandra P. L. de Camargo Guedes; Dione da Rocha Bandeira - Publicado em: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH • São Paulo, julho 2011.

Resumo: Esta proposta de trabalho está vinculada a dois grandes projetos em andamento, financiados pela Universidade da Região de Joinville – Univille, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, do Programa de Mestrado em Patrimônio Cultural e Sociedade da Univille – MPCS e que, por sua vez, estão ligados ao Grupo de Pesquisa “Estudos Interdisciplinares de Patrimônio Cultural” cadastrado no CNPq. As pesquisas em questão têm por objetivo, apresentar os levantamentos, os estudos e as interpretações dos aspectos fundamentais da formação histórica e cultural da Ilha da Rita e do Distrito do Saí – São Francisco do Sul, Santa Catarina, reunindo informações e gerando conhecimento, de forma interdisciplinar, sobre o patrimônio cultural da região supracitada. Assim, este trabalho procura discutir os principais resultados encontrados pela equipe de pesquisadores, evidenciando a diversidade do patrimônio cultural existente na região em estudo.

[Baixar arquivo]


ARQUEOLOGIA E ESCRAVIDÃO EM SÃO FRANCISCO DO SUL. Fernanda Mara Borba; Dione da Rocha Bandeira - Publicado em: ANAIS DA V SEMANA DE ARQUEOLOGIA E PATRIMÔNIO DA UFSC 21 A 26 DE NOVEMBRO D E 2011.

Resumo: Com o objetivo de reconhecer a presença escrava e suas práticas cotidianas em São Francisco do Sul, Santa Catarina, uma pesquisa arqueológica está em andamento. A cidade foi ocupada por europeus no século XVII em decorrência do expansionismo bandeirante, trazendo os
primeiros escravos para a região. Com relação à historiografia e documentos oficiais, poucas são as análises que referenciam essa ocupação, priorizando uma relação ou classificação dos escravos e seus proprietários. Ainda faz-se necessário frisar a dificuldade de acesso aos documentos oficiais, existentes a partir da segunda metade do século XIX, encontrados por vezes em más condições de conservação. Em contrapartida, outras fontes são permeadas: pinturas e fotografias, depoimentos orais e vestígios materiais. Reunidos, esses elementos têm se mostrado pertinentes para identificar principalmente os espaços de trânsito desses grupos. A partir das análises, localidades que ainda preservam seus nomes antigos são identificadas, além de pontos como possíveis locais de castigos e enterramentos, trazendo novas histórias e práticas. Paralelamente, depoimentos orais são recolhidos com o intuito de auxiliar a identificação de outros espaços e verificar se esses vestígios são associados à memória, à identidade e à cultura no município. Ao buscar e interpretar informações sobre a cultura material escrava na cidade, novas possibilidades de compreender essas comunidades e seus bens culturais podem ser verificadas, reconhecendo sua importância. Esse trabalho está vinculado a uma pesquisa interdisciplinar, financiada pela CAPES e integra o Programa de Mestrado em Patrimônio Cultural e Sociedade da UNIVILLE e o Grupo de Pesquisa Estudos Interdisciplinares de Patrimônio Cultural.

[Baixar arquivo]

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2009


Estudo estratigráfico do perfil nordeste do Sambaqui Cubatão I, Joinville/SC. Dione da Rocha Bandeira; Eloy Labatut de Oliveira; Adriana Maria Pereira dos Santos - Publicado em: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 19: 119-142, 2009.

Resumo: O presente artigo apresenta o resultado do projeto Culturas e Meio Ambiente Pré-coloniais da Baía da Babitonga: I Etapa: O Conjunto de Sambaquis da Foz do Rio Cubatão, Joinville realizado pelo Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville/MASJ com financiamento do CNPq e Fundação Cultural de Joinville. A partir do estudo do perfil que aflora devido à erosão da porção nordeste do Sambaqui Cubatão I, analisa-se sua estratigrafia, sua composição e busca-se contribuir para o entendimento do processo de formação do sítio arqueológico

[Baixar arquivo]

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2007

Paleoetnobotânica dos macrorestos vegetais do tipo trançados de fibras encontrados no sambaqui Cubatão I, Joinville – SC. Sarah Petrykowski Peixe; João Carlos Ferreira de Melo Jr; Dione da Rocha Bandeira - Publicado em: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 17: 211-222, 2007.

Resumo: Trabalhos com testemunhos biológicos têm se tornado uma grande ferramenta para o entendimento do modo de vida de populações pretéritas. O presente estudo objetiva identificar taxonomicamente as espécies vegetais utilizadas preteritamente e classificadas como artefatos de origem fibrosa. Os artefatos foram coletados em perfil exposto do sítio, salvaguardados no acervo do Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville (MASJ), analisados por métodos padrões de anatomia vegetal e identificados por comparação com coleção de referência da flora atual do entorno do sítio arqueológico. As fibras foram identificadas como pertencentes a plantas do gênero Philodendron (Araceae), as quais são conhecidas popularmente por cipós e podem ter tido diversos usos. A ocorrência desses vegetais no sítio arqueológico sugere a presença de florestas circundantes e condições paleoecológicas similares às atuais.


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2005

Povos Sambaquianos: os construtores dos montes de conchas e os mais antigos moradores da Baía da Babitonga. Dione da Rocha Bandeira. Publicado em: Revista Joinville Ontem e Hoje. Joinville: Câmara Municipal de Joinville, p. 4-9. 2005.

[Baixar Arquivo]

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

2004

Tese de Dione da Rocha Bandeira
Título:  Ceramistas Pré-Coloniais da Baía da Babitonga, SC - Arqueologia e Etnicidade

Resumo: Pesquisas arqueológicas desenvolvidas no litoral de Santa Catarina têm indicado a presença sucessiva de, pelo menos, dois grupos humanos distintos, produtores de cerâmica na pré-história. Esses grupos têm sido relacionados às Tradições Arqueológicas Guarani e Taquara-Itacaré, cujas evidências ocorrem do centro ao sul do Brasil, em aldeias diferenciadas, ocupando amplas áreas em ambientes, às vezes, bastante distintos. Na Baía da Babitonga, litoral norte de Santa Catarina, os estudos arqueológicos apontam a existência de sítios que tem sido associados à Tradição Taquara-Itararé, pela presença, ali, de uma cerâmica ancestral dos grupos indígenas de língua Jê do sul do Brasil. Há Informações dúbias sobre a presença de sítios da Tradição Guarani na Baía da Babitonga, embora seja consenso na historiogradia que seus descendentes, os Carijó, nela viveram. O debate gerado pela introdução do conceito de Etnicidade na ARqueologia, pela corrente Pós-processual, tem apontado as fragilidades que permeiam a identificação e vínculos entre grupos a partir da cultura material, principalmetne, quando determinados elementos são destacados. As relações e recursos e os deslocamentos, por exemplo, criam situações complexas em que elementos culturais podem se confundir. O Caminho trilhado foi o da ampliação do conhecimento das unidades arqueológicas - os sítios Itacoara (nº 42), Bupeva II (nº 29) e Poço Grande (nº 37), enfocando elementos que, até então, tiveram pouco status entre os vestígios materiais. Com ênfase nos vestígios faunísticos, na cerâmica e no ambiente de inserção, procurou-se produzir e reunir informações para os sítios com cerâmica de cada uma das tradições da Baía da Babitonga, apontando similaridades e diferenças, com o intuito de entendê-las regionalmente, para, então, compará-la com contextos arqueológicos outros e com grupos indígenas, na tentativa de avançar nas questões sobre a origem e a descendência desses grupos.

[Baixar Arquivo]
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

1992

Dissertação de Dione da Rocha Bandeira
Título: MUDANÇA NA ESTRATÉGIA DE SUBSISTÊNCIA O SÍTIO ARQUEOLÓGICO ENSEADA I - UM ESTUDO DE CASO

Resumo: Esta dissertação trata de um projeto de pesquisa desenvolvido sobre o material faunístico proveniente do sítio arqueológico Enseada I, localizado no município de São Francisco do Sul, litoral Norte de Santa Catarina. Este sítio arqueológico foi escavado por Anamaria Beck e equipe, na década de 70, e, segundo esta pesquisadora, foi ocupado por duas populações distintas, em épocas diferentes. A primeira população se distingue culturalmente da segunda, ainda conforme Beck, por não produzir cerâmica, apresentar uma subsistência baseada na coleta de moluscos ao invés de peixes e uma indústria óssea menos sofisticada, se comparada com a da segunda população que ocupou aquele local. Nosso objetivo foi, a partir de uma análise qualitativa e quantitativa dos restos faunísticos das duas ocupações do sítio arqueológico Enseada I, definir a estratégia empregada para obtenção dos recursos faunísticos, por cada grupo. A estratégia de subsistência voltada para os recursos animais pode ser conhecida a partir da definição e quantidade de espécies exploradas, do habitat e do comportamento de cada uma delas. Através destes dados, pode-se inferir os itens da dieta alimentar do grupo humano, quais suas preferências, o nicho explorado e as técnicas empregadas para a captura dos animais consumidos. A partir do conhecimento dos animais selecionados, também é possível inferir os diferentes tipos de ambientes (marinho, lacustre, de mata, entre outros) com os quais o homem teria se relacionado e em que proporções a totalidade do ambiente foi percebida como fonte de recursos animais. A caracterização da estratégia de subsistência de cada um dos grupos humanos que ocupou o sítio arqueológico Enseada I, nos permitiu evidenciar diferenciações, para as quais buscamos levantar explicações vinculadas ao enfoque ambientalista. Nossas inferências tentaram ir além dos argumentos difusionistas e migracionistas, utilizados até então, para explicar as diferenças observadas com relação à exploração de recursos faunísticos em cada uma das populações.

[Baixar Arquivo]

Nenhum comentário:

Postar um comentário